Página Inicial Institucional Cursos Exames Blog Links Contato
 
 
Aliança Francesa Caxias do Sul
 
     

Blog

   
  » ARQUIVO
  » Abril
  » Fevereiro
  » 2016
  » 2015
  » 2014
  » 2013
  » 2012
  » 2011
  » 2010
  » 2009
   
  » MARCADORES
  » AF
  » Animação
  » Anniversaire
  » Arquitetura
  » Artes
  » Automobilismo
  » Beleza
  » Biografia
  » Capacitação
  » Carros
  » Ce que j'ai vu en France
  » Cesar Mateus
  » Ciência
  » Cinema
  » Claudete Travi
  » Confraternização
  » Culinária
  » Cultura
  » Curiosidades
  » Dança
  » Design
  » Dicas
  » Entrevista
  » Escultura
  » Esportes
  » Evento
  » Fenêtres Ouvertes
  » Fotos
  » Frisson em Paris
  » Frisson em Paris 2012
  » História
  » HQ
  » Ilustrações
  » Imprensa
  » Intercâmbio
  » La première fois que j’ai vu...
  » Literatura
  » Marília Galvão
  » Meio ambiente
  » Moda
  » Música
  » Pintores
  » Plume d'Or
  » Polêmica
  » Política
  » Promoções
  » Publicidade
  » Resenha
  » Revista
  » Solidariedade
  » Teatro
  » Trabalhos de aula
  » Turismo
  » TV
  » Viagem
  » Vídeo
  » Visitas
 
 
Quarta-Feira, 22 de fevereiro de 2017

Rendez-vous du jeudi

 
Quer aperfeiçoar o teu francês com músicas, exercícios de fonética, revisão gramatical, debates e aulas culturais?

Estamos lançando o Rendez-vous du jeudi para você que é nosso aluno ou não.

São 17 ateliers, todas as quintas-feiras das 18h30min às 21h

Como funcionará?

Você contrata no mínimo 4 ateliers e assim que você participar destes 4, contrata mais 4 e assim por diante.

Investimento para 4 ateliers:
Alunos R$ 160,00
Ex-alunos R$ 200,00
Não alunos R$ 250,00

A programação está imperdível!
Confere aqui e te inscreve logo!


09/03: Simone de Beauvoir, l’existentialisme, le Deuxième Sexe et le féminisme (B1)
● L’existentialisme et le féminisme de Beauvoir
● Le Deuxième Sexe: étude de passages du livre

16/03: Les chansons contemporaines françaises : Zaz (A1.3)
● Vie et (quelques) oeuvres
● Révision de points de grammaire et de vocabulaire à partir des chansons travaillées en classe

23/03: Phonie-graphie: reconnaître et différencier les sons [ u ] et [ y ]; [ ø ] et[ œ ] et leur graphie (A1.1)
● Mise en situation
● Exercices d’application

30/03: Grammaire: Les articles du français (définis, contractés, indéfinis et partitifs) (A1.3)
● Mise en situation
● L’emploi, la forme, exercices d’application

06/04: G.E. Haussmann et la transformation de Paris (A2.3)
● Le fondement de la représentation populaire de la capitale française
● Quelques aspects des gigantesques travaux haussmanniens

13/04: Les chansons contemporaines francophones: Stromae, Oxmo puccino et le SLAM/ Mika, Zaza Fournier, Brigitte et Coeur de pirate
● Exploration de quelques oeuvres des chanteurs
● Révision de points de grammaire et de vocabulaire à partir des chansons travaillées en classe

20/04: CO et EO: Les débats (B1)
● Mise en situation
● L’emploi, la forme, exercices d’application

27/04: Grammaire: Les discours directs et indirects (A2.1)
● Mise en situation
● L’emploi, la forme, exercices d’application

04/05: La cuisine française (A2.3)
● La codification au XXe siècle et quelques recettes
● Les chefs français contemporains

11/05: Grammaire: Le passé composé et l’imparfait (A1.3)
● Mise en situation
● L’emploi, la forme, exercices d’application

18/05: Phonie-graphie: différentiation de/des- le/les -ce/ces- te/tes; différentiation des deux prononciation de e (sans accent); reconnaître et différencier les sons [ɔ̃], [ɑ̃] et [ɛ̃] (A1.2)
● Mise en situation
● exercices d’application

25/05: CO : La Une et le journal radiodiffusé (B1)
● Mise en situation
● techniques d’écoute
1º/06: Coco Chanel: une modiste à contre-courant (A2.3)
● Comment la créatrice a marqué le monde de la mode
● L’empire Chanel

08/06: Les expressions françaises et les faux amis
● Mise en situation
● L’emploi, exercices d’application

22/06: Grammaire: Le conditionnel et le plus que parfait (A2.3)
● Mise en situation
● L’emploi, la forme, exercices d’application

29/06: Grammaire: Le subjonctif (A2.1)
● Mise en situation
● L’emploi, la forme, exercices d’application

06/07: Les chanteurs francophones emblématiques: Edith Piaf, Jacques Brel, Serge Gainsbourg, Charles Aznavour et autres
● Exploration de quelques oeuvres des chanteurs
● Révision de points de grammaire et de vocabulaire à partir des chansons travaillées en classe

 
Marcadores: AF, Cultura, História, Literatura, Moda, Música
Comentários (4)
 
Terça-Feira, 04 de outubro de 2016

Histoire et bénédiction de Saint-François d’Assise - por frei Celso Bordignon

 
François Bernardone est né à Assise (Italie) en 1181.

Son père était Pierre et sa mère Joanne. Son père lui a donné le nom de Françoisen hommage à sa femme qui était française.

François a vécu comme tous les jeunes de son temps. Il fréquentait les fêtes avec ses amis, il s’habillait élégamment et il est allé à la guerre pour conquérir la gloire. Après une longue maladie pendant l’année de 1204 il a commencé à changer son mode de vivre àprendre soin des lépreux et a commencé à reconstituer des petites églises en ruines.

En 1208 François accueille en sa compagnie les frères Bernard, Pierre et Égide. L’année de 1209 marque segne le début de l’Ordre Françaiscaine quand François rédige une Règle très brève et va à Rome avec les onze compagnons pour demander l’approbation du Papa. L’histoire de François Bernardone est très riche d’événements. Mais le plus important c’est qu’il a fait un chemin de convertion vers Dieu en aimant les personnes, les plantes, les animaux et toutes les créatures. À cause de cela il est devenu Saint-François d’Assise.

Saint-François a écrit " Le Cantique des Créatures ". Ce cantique est le premier grand poème italien en langue vulgaire. Il commence son cantique : " Loué sois-tu, mon Seigner avec toutes tes créatures.... " Pour Saint-François tout ce qui existe ce sont frères et soeurs : le soleil, la lune, les étoiles, le vent, l’air, l’eau , la terre, le feu, les fleurs et aussi la mort.

Bénédiction de Saint-François d’Assise

"Que le Seigneur te bénisse et te garde. Qu’il te montre son visage et qu’il ait pitié de toi. Qu’il tourne son regard vers toi et te donne la paix. Que le seigneur te bénisse avec toutes les creatures vivantes qui sont dans le monde. Au nom du Père, du Fils et du Saint-Esprit. Amen."

 
Marcadores: AF, Cultura, História
Comentários (0)
 
Sábado, 01 de outubro de 2016

Marilia Frosi Galvão espalhou Fagulhas pela AF

 
Marília Frosi Galvão esteve na AF no ultimo sábado, dia 24/09, para o lançamento do livro Fagulhas.

Um momento descontraído onde Marilia compartilhou a história de como começou a escrever, como surgiram as crônicas e por consequência o livro.

Marilia contou também sobre a influencia da AF em sua vida e também para o livro, bem como sobre sua primeira viagem à Paris, uma paixão se transformou em crônicas.

Uma manhã muito legal e interativa com nossa poetiza, com fotos da viagem, materiais dos lugares que ela frequentou na Cidade Luz e livros franceses que auxiliaram nessa caminhada.

Confira as fotos:
         

         

         

         

         

         

         

         

         

         

 
Marcadores: AF, Cultura, Fotos, História, Marília Galvão, Viagem
Comentários (0)
 
Quarta-Feira, 25 de maio de 2016

Lacoste

 
Sempre com um pequeno “Crocodile vert” no peito, as camisas pólos LACOSTE se tornaram um verdadeiro ícone clássico nos ambientes mais refinados do mundo, um símbolo de elegância e qualidade. Das quadras de tênis para o mundo, a marca francesa é um símbolo de classe há mais de sete décadas oferecendo roupas e acessórios para pessoas de bom gosto e estilo. Uma marca que consegue a proeza de agradar ao público nas mais diferentes regiões do planeta.

Tudo começou em 1927 com o francês Jean René Lacoste, nascido a 2 de Julho de 1904, brilhante tenista francês e o principal responsável pela primeira vitória da França na Taça Davis. René colecionou títulos nos famosos torneios de Roland Garros, Wimbledon e Forrest Hills. No total arrecadou sete vitórias em torneios do Grand Slam e foi o tenista número 1 mundial em 1926 e 1927.

Durante estas competições ele foi apelidado de “Le Crocodile” após ter feito uma aposta com o capitão da equipe de tênis da França para Copa Davis. O técnico prometeu oferecer-lhe uma mala de crocodilo caso ele ganhasse um jogo importante para a sua equipe. O fim do campeonato trouxe duas vitórias para o tenista: arrebatou a taça dos americanos, vencendo o lendário Bill Tilden, e provou que sua trajetória de sucesso iria muito além das quadras. O público americano rapidamente adotou o apelido, que representava a tenacidade e a agressividade que René demonstrou nas quadras de tênis, se movendo freneticamente em ziguezague e perseguindo sua presa sem cansar.

O amigo Robert George desenhou então para René um crocodilo que foi bordado na camisa que ele usava nas quadras de jogo. A camisa, em algodão com malha arejada e confortável, que absorvia perfeitamente a transpiração em climas mais quentes, tinha mangas curtas com gola e pequenos botões que iam do pescoço ao peito, e, era usada juntamente com um blazer azul-marinho, também desenhado por ele e com o símbolo do crocodilo. O uniforme inusitado apareceu pela primeira vez no Torneio Aberto dos Estados Unidos.

Poucos anos depois, aos 25 anos, ele abandonou as quadras por causa de uma tuberculose e dedicou-se totalmente a uma idéia genial: fazer confortáveis camisas de malha para a prática do tênis e carimbá-las com o bichano que um dia deu a ele muita sorte.

Em 1933, juntamente com André Gillier, proprietário de uma das maiores empresas francesas de malhas, ele fundou a "La Chemise Lacoste" para produzir e comercializar a camisa pólo bordada com o logotipo que tinha criado para seu uso pessoal nas quadras de tênis, bem como certo número de outros modelos de camisas concebidas para a prática do tênis, golfe e esportes marítimos, como o iatismo.

Foi a primeira vez que uma marca estampou sua etiqueta do lado de fora da roupa, tornando o logotipo visível. Uma idéia que prosperou desde então.

Essa primeira camisa foi batizada de LACOSTE L.12.12
L representa LACOSTE, 1 é uma referência ao tecido original de algodão petit piquê, 2 significa a manga curta e o segundo 12 se relaciona com o número de protótipos que tiveram que ser produzidos até René ficar satisfeito com o resultado, dando uma perspectiva única sobre o sentido de perfeccionismo e abordagem de transmissão do desenho do campeão.

A camisa era confeccionada em um tecido leve e fresco, que proporcionava mais conforto e resistência. A primeira camisa LACOSTE era branca, ligeiramente mais curta que as atuais, de mangas curtas, com colarinho de bordos cortados, confeccionada em um tecido emblemático, jérsei de piquê miúdo, e um crocodilo verde bordado na altura do coração.

A camisa LACOSTE constituiu imediatamente uma revolução junto aos jogadores de tênis da época pois o sucesso tornou-se mundial pelo conforto e frescor que elas proporcionavam aos atletas, os quais vestiam durante os jogos, nessa altura, incômodas camisas de estilo clássico, em tecido tramado com duas teias, de mangas compridas, que em nada ajudavam à sua performance, mobilidade e resistência física, por falta de ventilação do corpo.

Imediatamente, a marca virou um uniforme nas quadras francesas, e René, o garoto-propaganda perfeito.

Rapidamente as camisas pólo da marca desbancaram as tradicionais camisas de colarinho duro, vendendo aproximadamente 300 mil unidades só em 1939.

O que havia de tão revolucionário na camisa?

A qualidade da malha que era leve, flexível, ventilada e também seu desenho inovador. O algodão, proveniente do Egito, dos Estados Unidos e do Peru, o processo de elaboração do fio e a exigência de qualidade da fibra mostravam um pouco da importância do produto. Nesta época a empresa investiu no progresso e crescimento das vendas junto ao consumidor.

Durante um bom tempo, ele só produziu camisas brancas, com um catálogo direcionado exclusivamente para tênis, golfe e iatismo. Mas, com o início da Segunda Guerra Mundial, a empresa interrompeu a produção, retomando suas vendas ao mercado somente em 1946.

As exportações começaram em 1951 para a Itália, assim como a comercialização das versões coloridas das tradicionais camisas pólos. Celebridades adotaram a nova moda. Audrey Hepburn eternizou a dobradinha com calça capri. Jackie Kennedy usava dentro e fora das quadras. No ano seguinte a marca ingressou no enorme mercado americano com o início da exportação de seus produtos para o país. Em 1959, foi criada a coleção infantil e no ano seguinte as coleções de bermudas e polos listradas.

René revolucionou o mercado do tênis novamente ao inventar em 1963 as raquetes feitas de aço tubular, muito superior às produzidas em madeira, extremamente pesadas. As raquetes eram distribuídas pela marca esportiva Wilson nos Estados Unidos. Este modelo de raquete ganhou 46 títulos em torneios do Grand Slam entre 1966 e 1978.

A partir dos anos 70, o crocodilo da LACOSTE estendeu-se a inúmeras peças, tanto no vestuário feminino como no masculino, além de acessórios, calçados e até perfumes. Somente em 1978 os produtos da marca começaram a ser distribuídos no Brasil e em 1981 a empresa inaugurou a
primeira Boutique LACOSTE do mundo, localizada na badalada Avenida Victor Hugo em Paris.

Mas foi também nesta década que a marca francesa começou a perder participação de mercado: os clientes fiéis, principalmente pessoas ligadas aos esportes, estavam envelhecendo e a nova geração não encontrava atrativos nos modelos básicos oferecidos pela marca. Nas quadras, o crocodilo perdeu terreno para outras grifes que patrocinavam maciçamente atletas de grande destaque.

Na década de 90, a empresa iniciou uma expansão e modernização da sua rede de lojas, inaugurando em 1994 a primeira unidade na China; no ano seguinte as primeiras lojas nos Estados Unidos, localizadas nas badaladas Palm Beach e Bal Harbour, no estado da Flórida; além de lojas em Moscou e Nova York. Mas, foi também a partir desta década que a popularidade da marca LACOSTE entrou definitivamente em queda, até que o estilista francês Christophe Lemaire assumiu a direção criativa da marca em 2000. Rapidamente ele implantou uma nova filosofia e modernizou a imagem da marca, deu um tom mais jovial, contudo sem perder a elegância e a identidade criada por René Lacoste. Suas famosas e clássicas camisas pólo ganharam novas cores, a modelagem ficou mais estreita, mais justa e curta, ganhando até modelo estonado.
Nesta época surgiram também outros itens: novas coleção para crianças e mulheres, calçados, novos e deliciosos perfumes, óculos, roupa íntima masculina, malas, sacolas, bolsas, mini vestidos e até uma coleção de cama, mesa e banho.

Outra atitude importante foi a contratação de atletas renomados para serem embaixadores da marca pelo mundo como o tenista Andy Roddick, a golfista mexicana Lorena Ochoa e o golfista espanhol Jose-Maria Olazabal, além de patrocinar torneios importantes como o Aberto da Austrália (tênis) e várias etapas do circuito de golfe profissional.

O custo da famosa pólo LACOSTE se difere das demais marcas do segmento, mas segundo a marca, deve-se principalmente ao processo de fabricação, onde são usados mais de 20 Km de fio de algodão por cada pólo e o tingimento leva mais de 12 horas para ser completado. Estes processos fazem com que a pólo seja quase a prova de tudo.

Foi por tudo isso que o “Crocodilo” da LACOSTE tornou-se famoso no mundo inteiro.
         

         

         

         

         

         

         

 
Marcadores: AF, Cultura, Curiosidades, Design, Esportes, História, Moda, Publicidade
Comentários (0)
 
Página 1 2 3 4 5 6 7 8 »
     
     
 

Parceiros

                   
 
 
  Aliança Francesa Caxias do Sul  
Facebook Twitter  
Rua Coronel Flores, 749, sala 202 - 54 3221.5212
 
 
  Desenvolvimento: WCM3 Agência Web Digital Feeling Estúdio de Criação